Que tal um guia prático para controlar a mastite clínica na sua fazenda?

Entender como a mastite clínica se instala na fazenda leiteira e como evitar isso é um dos segredos para que a doença não se dissemine no plantel. 

 

A mastite é a doença que mais acomete os rebanhos leiteiros e se relaciona fortemente com a qualidade do leite, fato que se torna um grande desafio devido aos inúmeros prejuízos gerados. Quando abordamos especificamente a mastite clínica, é importante que o produtor conheça o patógeno causador e também, se a sua origem é contagiosa ou ambiental. Essa etapa facilita o entendimento do foco do problema e o desenvolvimento de ações preventivas mais direcionadas. 

 

No caso de patógenos contagiosos, o principal reservatório é o próprio úbere de um animal infectado e as infecções são disseminadas entre as vacas ou entre os quartos mamários e, nos ambientais, o reservatório principal dessas bactérias, como o próprio nome já diz, é o ambiente. 

 

Detectar a mastite clínica de maneira precoce é o primeiro passo para combatê-la 

 

Detectar a mastite no rebanho de forma precoce é essencial para uma tomada de decisão adequada e eficaz para a manutenção da qualidade do leite produzido. O teste da caneca de fundo preto é a ferramenta mais indicada para isso e classificar o grau de mastite de acordo com as características do leite e sinais clínicos dos animais também auxilia nos rumos que a fazenda deve seguir naquele momento. 

 

E devemos tratar ou não a mastite clínica? 

 

Sabemos que o tratamento “padrão” com antibióticos para todas as vacas que apresentam casos de mastite clínica ainda é a prática mais habitual, porém, esse comportamento pode ser revisto já que atualmente há tecnologias simples que permitem protocolos especializados e seletivos. 

 

A cultura microbiológica no leite é um exemplo disso, pois permite que o produtor identifique os principais agentes causadores de mastite em 24 horas dentro da propriedade, sendo possível a tomada de decisão adequada quanto à utilização ou não de medicamentos, diminuindo o uso desnecessário de antibióticos e reduzindo os dias de descarte do leite. A cultura auxilia na maior assertividade do tratamento (quando necessário) e na adoção de melhores estratégias e manejos para o controle da enfermidade. 

 

É interessante apontar que 50% dos casos de mastite clínica têm resultado de cultura microbiológica negativa, o que não justificaria o uso de antibióticos nesses casos. O principal fator que explica tal fato é a cura espontânea, ou seja, o sistema imune da vaca é capaz de combater a infecção.

 

São várias dicas para prevenir a mastite clínica, como: controle das condições ambientais; manutenção dos equipamentos de ordenha; uso do escore de sujidade; fortalecimento do sistema imune; treinamento de funcionários e uma boa rotina de ordenha (teste da caneca, pré-dipping, secagem dos tetos, colocação das teteiras e pós-dipping). 

 

Quer aprender mais sobre este tema? Então você está no lugar certo, pois a OnFarm está disponibilizando aos seus leitores um e-book gratuito disponível para download a fim de enriquecer o seu conhecimento sobre este assunto. Saiba mais abaixo clicando no botão abaixo:

 

BAIXE JÁ O GUIA PRÁTICO DO CONTROLE DA MASTITE CLÍNICA

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Procure por conteúdos específicos:

Newsletter

Receba nossos conteúdos diretamente em seu email!

E-book

Guia prático do controle de mastite clínica

Veja também: