Como a tecnologia auxilia no controle da mastite?

Prof. Marcos Veiga faz um panorama sobre o impacto da inovação para a construção de uma pecuária leiteira mais sustentável e moderna

 A demanda de consumo da proteína animal, incluindo o leite, apresenta uma estimativa de crescimento de 70% nos próximos anos, o que desafia o produtor a atingir uma maior eficiência produtiva, com boa rentabilidade, ao mesmo tempo em que precisa atuar de forma socialmente sustentável e cumprir o seu papel fornecendo alimento de qualidade.

Na pecuária leiteira, toda tomada de decisão precisa ser rápida e eficaz para evitar desperdícios e prejuízos para os diferentes elos da cadeia produtiva. Ter a tecnologia como uma aliada próxima é essencial para que a bovinocultura de leite encare esse desafio de aumento de demanda e possa superar as expectativas, com melhores resultados de qualidade e de índices produtivos.

Durante o lançamento da Rumi, a inteligência artificial da OnFarm, Marcos Veiga, Médico Veterinário e Professor Titular do Departamento de Nutrição e Produção Animal da FMVZ-USP, contou um pouco sobre a importância da tecnologia na pecuária leiteira e como ela se faz presente nos dias de hoje, abordando principalmente as tecnologias para o controle e tratamento  da mastite, doença que impacta toda a cadeia produtiva.

“Há mais de 30 anos a tecnologia dentro da fazenda vem evoluindo, assim como os próprios animais. Inicialmente a maior preocupação do produtor de leite era a mastite contagiosa, mas com a melhoria genética dos animais, melhoria no cuidado sanitário do ambiente em que elas ficam e melhoria na nutrição, hoje temos vacas mais produtivas e com um perfil de mastite muito diferenciado”, explica Marcos. Ainda segundo ele: “Com o grande desafio que é a mastite, doença que mais causa impacto negativo no setor, os produtores necessitam de ferramentas e estratégias para o controle com sustentabilidade e garantindo o bem-estar e saúde dos animais e dos consumidores”.

Na visão do profissional, três questões principais demonstram o impacto da tecnologia na gestão das propriedades leiteiras e na construção de uma pecuária mais sustentável e eficiente.

 

Como a tecnologia impacta o produtor?

Atualmente com a grande capacidade de obtenção de dados pelos equipamentos que já estão presentes nas fazendas, o produtor fica mais informado sobre os acontecimentos em seu plantel e encontra suporte nos dados para as suas tomadas de decisões. Tendo todas as informações importantes para o seu negócio na palma da mão, através de smartphones, tablets e laptops, a identificação de problemas presentes e indicadores de outros futuros, e tendo acesso a um banco de dados relevantes de diversos tratamentos bem-sucedidos processados nos modelos de Inteligência Artificial (IA), ajudam a sugerir ações eficazes para uma intervenção rápida e eficiente, solucionando problemas ainda em seu início e evitando grandes desperdícios da produção e custos elevados com tratamento e mão de obra.

 

Por que a tecnologia é aliada do produtor?

A evolução tecnológica dentro da fazenda torna os processos mais ágeis, precisos, e possibilita uma melhor distribuição de mão de obra pela propriedade. Além de trazer mais segurança para os processos, as tecnologias também estão alinhadas com a melhoria do bem-estar do animal e sua sanidade, o que resulta em uma produção de mais qualidade e em maior quantidade. Tudo isso promove uma maior lucratividade para o produtor e ajuda a transformar a pecuária leiteira em um setor mais rentável e competitivo.

 

Como a Inteligência Artificial contribui para o controle da mastite?

Unindo o binômio:  monitoramento e previsão. A Inteligência artificial recebe os dados de monitoramento e consulta em seu robusto banco de dados, obtidos na análise de casos semelhantes em outros animais e fazendas, a fim de informar o produtor qual a melhor estratégia para o controle e prevenção da doença na sua propriedade. Isso pode ocorrer de diversas formas:

  • Ordenha voluntária

É capaz de identificar cada animal individualmente e as alterações na composição do leite através de dados visuais, facilitando o diagnóstico precoce da mastite. A tecnologia tem a capacidade de previsão com cerca de 80% de sensibilidade para detecção da mastite clínica.

  • Predizer o status de CCS

É possível predizer o status de CCS (contagem de células somáticas) de uma vaca considerando as informações do mês anterior com 75% de acurácia. Isso permite uma tomada de decisão antecipada e adoção de estratégias de controle antes que o problema se agrave.

  • Algoritmos de imagem

É capaz de identificar 80% dos animais que apresentam casos de hiperqueratose nos tetos, um indicativo de problemas de ordenha ou no equipamento. A cada 10 vacas com o problema, 8 são identificadas.  É também mais eficiente do que o olhar humano para auxiliar no diagnóstico e na interpretação de resultados da placa de cultura bacteriana através da análise de um banco de dados criado com anos de informações obtidas nas fazendas parceiras.

Todas essas informações disponíveis nas fazendas leiteiras possibilitam a existência de uma rede de informações com trocas contínuas, capaz de potencializar a rapidez na tomada de decisões e interferir de forma positiva nos resultados do rebanho. Para isso, é necessário que as tecnologias permaneçam em contínuo desenvolvimento, aprimoramento e validação, além de ter fácil usabilidade para todos. Assim foi desenvolvida a Rumi.

É através desses dados que o produtor baseia as suas decisões que envolvem descarte do leite, se o animal necessita de tratamento ou não, e na qualidade do produto a ser comercializado. Uma participação ativa e estratégica na produtividade e desempenho da propriedade, sem abrir mão do bem-estar animal, qualidade dos produtos e sustentabilidade.

Na pecuária 4.0, toda tecnologia é sempre incluída no sistema visando o bem-estar dos animais, sustentabilidade da produção e em favor de que um produto de maior qualidade chegue à mesa do consumidor. A inteligência artificial demonstra os melhores caminhos e as melhores decisões que podem ser tomadas, abordando desde a saúde do úbere até a saúde completa do animal, identificando problemas e sugerindo soluções para uma pecuária leiteira mais produtiva e rentável.

 

Sobre a OnFarm

A OnFarm traz uma solução simples, inovadora e única, que permite a identificação da causa da mastite em 24 horas, na própria fazenda, através da cultura microbiológica. Conhecer o agente de forma rápida é indispensável para o sucesso de qualquer programa de controle da mastite. A tecnologia acredita no empoderamento dos produtores, para que tomem decisões cada vez mais assertivas. O produtor em primeiro lugar, sempre. Para mais informações acesse: https://onfarm.com.br/ ou entre em contato no WhatsApp (19) 97144-1818 ou e-mail: contato@onfarm.com.br | Acompanhe nas redes sociais: Instagram | Facebook | LinkedIn | Youtube

 

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Procure por conteúdos específicos:

Newsletter

Receba nossos conteúdos diretamente em seu email!

E-book

Conhecendo os agentes causadores da mastite!

Veja também: