Vacina para Strep uberis?

Brunna Granja

Time OnFarm

 

Streptococcus uberis é um dos microrganismos causadores de mastite mais prevalentes atualmente nos rebanhos leiteiros. Esta bactéria pode ser encontrada principalmente nas fezes de bovinos, sendo assim o contato dos tetos dos animais com ambientes contaminados por essas fezes é um fator de risco para a ocorrência de mastite.

O período de maior risco para ocorrer uma infecção intramamária por Streptococcus uberis é logo após a secagem e durante o período de transição (21 dias antes do parto e 21 dias depois do parto), por isso é muito importante manter os animais em uma área de pré-parto bem higienizada e com boa qualidade de camas. Além disso, animais que apresentam lesões nos orifícios dos tetos, como hiperqueratose, apresentam maior risco de infecção por esse patógeno.

Existem mais de 70 cepas de Streptococcus uberis, algumas delas podem ter um caráter contagioso, além do ambiental já conhecido. Sendo assim, é de extrema importância também ter todos os cuidados com a rotina de ordenha (copos de pré e pós-dipping limpos, secagem correta de tetos) e manutenção do equipamento de ordenha. Além de todo procedimento correto de ordenha é importante também ter um bom protocolo de secagem, com um antibiótico de vaca seca de longa duração e eficiente para essa bactéria, assim como o uso de selantes internos de tetos.

A presença do Streptococcus uberis no rebanho aumenta a CCS de tanque, assim como os animais infectados podem apresentar mastites crônicas e recorrentes. As maiores chances de cura de um caso de mastite por essa bactéria é no momento da secagem. Por ser um agente com baixa chance de cura, nos casos de mastite clínica indica-se terapia estendida (por 5 a 8 dias) com antibiótico intramamário, e nos casos de mastite subclínica normalmente não indica-se o tratamento durante a lactação de vacas infectadas por essa bactéria.

Para auxiliar no controle desse microrganismo nos rebanhos leiteiros pode ser utilizada a vacinação. Alguns estudos desenvolvidos testando o uso da vacina UBAC (HIPRA) demonstram diferentes benefícios no controle de Streptococcus uberis.

O primeiro estudo realizado por Collado e colaboradores teve o objetivo de analisar a eficácia da vacina UBAC em novilhas leiteiras. Foram utilizadas 25 novilhas em gestação desafiadas por uma cepa de Strep. uberis, as quais foram separadas em um grupo 1, vacinado (n = 13) e um grupo 2, controle (n= 12). A vacina foi aplicada 60 e 21 dias antes do parto por via intramuscular no grupo vacinado. Com base nos resultados apresentados no estudo, a contagem de colônias bacterianas do grupo vacinado foi menor do que no grupo controle durante o período pós-desafio. Da mesma forma, até o final do desafio, a CCS foi menor no grupo vacinado do que no grupo controle, assim como a taxa de cura dos quartos infectados foi maior no grupo vacinado com 53,9% quando comparado ao grupo controle com 25%.

Os mesmo animais anteriormente citados foram analisados em outro estudo realizado por Montbrau e colaboradores em relação à resposta clínica e produção de leite. Ambos grupos apresentaram aumento dos sinais clínicos após o início do desafio até o 3 dia, a partir do 4 dia até o final do estudo o grupo vacinado apresentou redução dos sinais clínicos quando comparado ao grupo controle, observado da mesma forma para o aumento da temperatura retal. Em relação à produção de leite ambos grupos apresentaram perda na produção de leite até o segundo dia do desafio, no entanto o grupo vacinado apresentou melhoras atingindo valores semelhantes a produção normal no dia 8 do desafio, o que por outro lado no grupo controle só foi possível observar no dia 18. No geral os animais não vacinados, ou seja, do grupo controle apresentaram uma queda maior na produção de leite durante o desafio.

Em outro estudo realizado por Puig e colaboradores, avaliou a segurança e eficácia da vacina UBAC na prevenção de infcções intramamárias por Strep. uberis. O estudo foi realizado durante 1 ano (março 2016 a abril de 2017) em fazendas onde a presença do patógeno já tinha sido registrada anteriormente. Os animais foram vacinados com 3 doses da vacina UBAC, via intramuscular, sendo a 1ª e 2ª dose administradas 8 e 3 semanas antes da data do parto e a 3ª dose 2 semanas após o parto. Os animais foram monitorados por 21 semanas após o parto para identificar a incidência de casos de mastite clínica e subclínica. A incidência de casos de mastite clínica causados por Strep. uberis durante o estudo foi menor no grupo vacinado com 4,7% do que o controle com 9,9%, de forma geral a incidência de vacas com Strep. uberis diminuiu 52,5% com a vacinação. Sendo assim o uso de antibióticos também foi reduzido no grupo vacinado, sendo 56% menor quando comparado ao grupo controle.

Em relação à mastite subclínica foi possível observar menor incidência no grupo vacinado, da mesma forma menor CCS em animais positivos no CMT, sendo 997×10³ cél./ml no grupo vacinado e 3274×10³ cél.ml no grupo controle. O que indica bons resultados em casos de infecções subclínicas.

Sendo assim é possível observar com esses estudos que o uso da vacina UBAC para Streptococcus uberis, atua de forma benéfica em casos clínicos de mastite, diminuindo a gravidade dos sinais clínicos, aumentando a taxa de cura dos quartos mamários infectados e ainda reduzindo a perda na produção de leite. Além disso, auxiliou na diminuição da incidência e da CCS dos casos de mastite subclínica. De forma geral o uso dessa vacina nas propriedades leiteiras trouxe benefícios na prevenção e também no tratamento de mastite causada por Streptococcus uberis.

 

Collado,R.; Montbrau, C.; Moreno, J.; March, R.; Prenafeta, A. Efficacy of UBAC® vaccine against na experimental intramammary heterologous challenge in dairy heifers (bacterial count,scc and serological response). In: International Bovine Mastitis Conference (NMC Milano 2018), 2018, University of Milan “La Statale”. Anais de congresso.

Montbrau, C.; Collado, R.; Roca, M.; Saun, X.; Prenafeta, A.; March, R. Efficacy of UBAC® vaccine against na experimental intramammary heterologous challenge in dairy heifers (clinical response and milk production). In: International Bovine Mastitis Conference (NMC Milano 2018), 2018, University of Milan “La Statale”. Anais de congresso.

Puig, A.; Perozo, E.; Roura, F.; Franquesa, O.; Herrera, D.; Urtado, L.; Calm, I.; Armengol R.; Mallo, J.; Ponté, D.; Echevarria, R. M.; Arrieta C.; Collado, R; Prenafeta, A.; March, R.;Sabaté, D. Efficacy and safety under field conditions of the new vaccine UBAC® against Streptococcus uberis intramammary infections in dairy cows. In: International Bovine Mastitis Conference (NMC Milano 2018), 2018, University of Milan “La Statale”. Anais de congresso.

Publicação: 23/10/2020

 

 

 

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp