Comparação de eficiência de dois selantes internos de teto

Brunna Granja

Time OnFarm

O uso de selantes no período seco reforça a barreira física natural presente no tampão de queratina formado na extremidade dos tetos das vacas no pré-parto. Esses produtos impedem a entrada de patógenos no canal do teto, evitando novas infecções intramamárias nesse período.

Em um estudo realizado por Rowe e colaboradores nos EUA, o objetivo foi avaliar um selante (Lockout – Boehringer), comparando-o a outro (Orbeseal- Zoetis), em relação à: risco de uma nova infecção intramamária no período seco, risco de cura e risco de nova infecção nos primeiros 13 e 100 dias de lactação, risco de descarte dos animais, contagem de células somáticas e produção de leite.

O estudo foi realizado em 5 rebanhos, onde as vacas selecionadas tinham pelo menos três quartos mamários funcionais, uma duração de período seco de 30 a 90 dias, nenhum tratamento antibiótico nos últimos 14 dias, ausência de casos de MC, boas condições de sistema locomotor e condição corporal.

As vacas foram separadas de forma aleatória em dois blocos de acordo com o selante que seria utilizado, sendo 446 para o Orbeseal e 456 para o Lockout. Em todos os quartos mamários antes da utilização do selante, foram aplicados antibiótico intramamário a base de cloxacilina.

Com base nos resultados apresentados no estudo, em relação às variáveis testadas, podermos observar que:

  • Infecções intramamárias no dia da secagem: a prevalência foi de 21% para Orbeseal e 23% para o Lockout.
  • Infecções intramamárias para o período de 1 a 13 dias em lactação: a prevalência foi de 13% para Orbeseal e 12% para Lockout.

Em ambos os tratamentos, os principais patógenos presentes nessas infecções intramamárias foram o grupo de Staphylococcus não-aureus.

  • Riscos de uma nova infecção durante o período seco, foi de 11,6% para Lockout e 10,4% para Orbeseal. Por outro lado, o risco de cura desses novos casos foi 94% para Lockout e 91,6% para Orbeseal; para o risco de descarte dos animais, foi de 10,3% para Lockout e 10,8% para o Orbeseal.
  • Os efeitos do uso de selante em relação à casos de mastite clínica e descarte em até 100 dias de lactação, foram 18,9% para Lockout e 19% para Orbeseal;
  • Não foram observados efeitos do uso de ambos selantes na produção de leite nos primeiros 100 dias de lactação, onde os animais apresentaram 43 kg de leite em média; já em relação a CCS, o uso de Orbeseal apresentou uma média de CCS de 67 e para o Lockout 71.

De forma geral ambos selantes mostraram resultados positivos e próximos, não havendo diferença estatística entre ambos. Senso assim, é muito válida a utilização desses produtos no momento de secagem dos animais, visto que eles são uma camada de proteção que auxilia o animal na prevenção de novos casos de infecções intramamárias e consequentemente uma próxima lactação mais saudável e produtiva.

Rowe, S.M.; Godden, S.M.; Nydam, D.V.; A. Lago; Vasquez, A.K.; Royster, E.; Timmerman, J. Randomized equivalence study comparing the efficacy of 2 commercial internal teat sealants in dairy cows. Journal of Dairy Science, v.103, 2020.

 

 

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp